Demanda por produtos orgânicos bate recorde no Reino Unido

orgânicos no Reino Unido
(Foto: Unsplash)

As vendas de alimentos e bebidas orgânicas cresceram 6,1% no Reino Unido, entre janeiro e maio de 2020, o maior índice desde dezembro de 2016, revelaram os últimos dados da Nielsen.

O levantamento constatou que as vendas de orgânicos foram quase o dobro do crescimento de produtos alimentares e bebidas convencionais, que teve um índice de 3,2% nas vendas até 30 de maio.

Durante as 10 semanas de isolamento social, as vendas de orgânicos aumentaram 18,7% em comparação com o aumento de 14,2% em produtos não-orgânicos.

Para a Soil Association, os números de vendas são otimistas e os “eventos externos aceleraram o comportamento dos compradores, que já mudam, em direção à saúde, transparência e integridade pessoal”.

A entidade estima que a mudança no comportamento dos consumidores deve ajudar o setor a ultrapassar o seu valor de mercado no final de 2020: de 2,5 bilhões de libras para 2,6 bilhões de libras.

“Quando essa crise surgiu e a comida foi colocada sob os holofotes, ficou evidente que os hábitos dos consumidores estavam mudando: de viagens de compras menos frequentes, para apoiar lojas locais e independentes, fazer compras on-line e receber entregas semanais de frutas e vegetais orgânicos. O que parece claro é que, em um momento em que a qualidade e a segurança são importantes para os consumidores, o orgânico ‘se destaca’, com seus benefícios de transparência e integridade”, diz Finn Cottle, consultor comercial da Soil Association a Natural Products Global.

A Soil Association diz que há uma “oportunidade significativa” para as empresas orgânicas manterem novos clientes que alcançaram durante o isolamento, alguns dos quais podem ter experimentado produtos orgânicos pela primeira vez.

“Marcas, varejistas e empresas orgânicas têm um grande papel a desempenhar no reforço das credenciais da orgânica – como um sistema agrícola ‘trabalhando com a natureza’ para restaurar a bondade na terra, com um impacto positivo na saúde e bem-estar pessoal e no meio ambiente. Com mais pessoas do que nunca entendendo essa conexão, acho que o setor tem muito com que se sentir confiante”, concluiu.