Obra impede volta de feira de orgânicos em São Paulo

(Foto: Pixabay)

A reforma do Centro Esportivo Modelódromo, na zona sul de São Paulo, impede o retorno da feira de orgânicos para a praça Ayrton Senna.

O projeto original da obra, realizada por meio de doações de empresas, previa a revitalização da praça e dos equipamentos, e um pavimento mais resistente entorno do monumento em homenagem ao ex-piloto Ayrton Senna. No entanto, no local foram colocados placas de cimento.

Segundo o secretário de Esporte, Lazer e Juventude da Prefeitura de São Paulo, Jorge Damião, o piso não comporta o peso das barracas e caminhões, porém em nenhum momento foi previsto o uso de asfalto na obra.

“Técnicos, arquitetos já informaram que não é possível se realizar uma feira exatamente no espaço pretendido pelos feirantes. Basta visitar o local que é fácil perceber que esse ambiente tem outro tipo de vocação. É um local contemplativo e projetado para outras atividades. A visitação da praça quintuplicou desde a inauguração da reforma”, disse em entrevista ao Guia de Orgânicos.

Apesar de o secretário negar, o uso do material é indicado no projeto do arquiteto Benedito Abbud, avaliado em R$ 50 mil e doado a prefeitura. Questionado pelo jornal Folha de S.Paulo, o secretário de Investimento Social, Claudio Carvalho, que coordenou a obra, explicou que o asfalto foi substituído para evitar transtornos e deixar a praça mais bonita.

Considerada a maior feira municipal de orgânicos e em transição agroecológica da cidade de São Paulo, a Feira de Orgânicos do Modelódromo é realizada, atualmente, na Rua Curitiba, em frente ao espaço ocupado antes da obra.

Para que a feira volte a funcionar na Praça Ayrton Senna, consumidores, feirantes e produtores criaram uma petição online. O objetivo é atingir 20 mil assinaturas, que você pode participar, clicando aqui.

Segundo os feirantes, um acordo feito com a Prefeitura previa que as barracas fossem reformadas, de acordo com um ‘padrão’ para que a feira voltasse para a Praça Ayrton Senna, fazendo os vendedores investirem R$88 mil.

“Se soubéssemos que o piso não aguentaria, não teríamos investido tanto. Para não perder mais dinheiro, estamos dispostos a contratar carregadores. Não faz sentido prejudicar mais de 30 famílias por um piso bonito”, disse a feirante Rachel Soraggi à Folha.

A Secretaria de Esporte sugeriu que a feira aconteça em uma área a 30 metros do ponto original, dentro do complexo da praça. A proposta não foi aceita pelos feirantes.

“Somos favoráveis a realização da feira no complexo, contudo no lugar mais apropriado”, disse Damião.

** Com informações da Folha de S.Paulo e do Guia de Orgânicos