Fertilizantes orgânicos podem otimizar absorção do nitrogênio no solo

fertilizantes orgânicos
(Foto: Liliane Bello/ Embrapa)

O manejo de fertilizantes orgânicos pode expandir o aproveitamento do nitrogênio no solo, identificou uma pesquisa feita pela Embrapa Agrobiologia.

O pesquisador Ednaldo Araújo explica que, antes, a recomendação era incorporar o adubo no solo para não perder nitrogênio por volatilização de amônia. Os resultados da pesquisa mostram que adicionar o material ao solo passa a ser dependente do tipo de adubo disponível.

Os testes realizados pelo pesquisador apontam que a incorporação no solo de adubos com alta concentração de nitrogênio é fortemente recomendada, pois evita perda do nutriente em forma de amônia em cerca de 40% do total aplicado.

No caso de adubos orgânicos com baixa disponibilidade de nitrogênio, como o esterco bovino e a biomassa de leguminosas, a incorporação no solo pode resultar em um custo desnecessário, pois a perda de nitrogênio por volatilização de amônia é baixa, o que permite que o material permaneça em cobertura.

O uso desta tecnologia pode contribuir para a redução do custo de produção dos alimentos orgânicos, uma vez que um dos maiores gargalos é o suprimento de nitrogênio por meio de insumos orgânicos, que geralmente têm custo elevado.

“Se considerarmos que o custo do saco de torta-de-mamona com 50 quilos seja de R$ 50, o custo do nitrogênio proveniente desse insumo será de R$ 20 por quilo. Com o aumento da eficiência de uso do nitrogênio, o custo de produção tende a reduzir, contribuindo para ganhos em toda a cadeia produtiva – dentro da porteira, com redução de custo, e fora dela, com redução do preço final para o consumidor”, aponta o pesquisador.

A prática é destinada especialmente aos produtores de hortaliças e frutíferas em sistemas orgânicos de produção.