Instituto Brasil Orgânico lança redes sociais para engajar consumidores

(Foto: Organics News Brasil)

O Instituto Brasil Orgânico realizou uma live para contar a trajetória do movimento orgânico e como o setor se destaca pela relevância nessa pandemia.

Rogério Dias, presidente do IBO, e a apresentadora Bela Gil traçaram as etapas de consolidação dos orgânicos, do produtor ao consumidor e a tendência de consumir produtos locais.

“Quando fundamos o Instituto Brasil Orgânico queríamos enfatizar que o preservar sementes crioulas, a cultura agrícola local, lugar contra as mudanças climáticas e conquistar políticas públicas que valorizem e viabilizem os agricultores orgânicos e melhorar a qualidade do alimento para o dia a dia, a merenda escolar e evitar o êxodo rural. A sociedade que vice na cidade deve se sentir tão responsável com o agricultor e a saúde”, enfatiza Rogério Dias.

Bela Gil, reconhecida pela militância na democratização da alimentação saudável, é fundadora e vice-presidente do IBO, comentou que o conceito de alimento oriundo da agroecologia começa a se incorporar como opção do consumidor e que esse momento de pandemia e preocupação com o alimento seguro. “As PLANCs, por exemplo, vêm da agroecologia e hoje virou moda. O importante é dar visibilidade à origem da agricultura de qualidade”.

O desafio do IBO é zelar pelo movimento orgânico, com preocupações de manter o produtor pequeno e médio, com valores de qualidade do alimento e dar oportunidade de aumentar a massa de consumidores.

“Elencamos seis áreas de atuação e descrevemos tudo no nosso site, lançado nesta semana em comemoração à nossa “XVI Semana dos Alimentos Orgânicos”. O momento não poderia ser mais propício, já que essa campanha, que começou em 2005, teve por objetivo aproximar e fortalecer o movimento orgânico brasileiro”, enfatiza Rogério Dias.

Conheça o IBO: institutobrasilorganico.org e siga nas redes sociais @institutobrasilorganico

O ONB apoia e é fundador colaborador do Instituto Brasil Orgânico