Artigo: O desafio de tirar do papel os compromissos climáticos

(Foto: Freepik)

Em 2015, mais de 190 países firmaram um pacto mundial para reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) e conter o aumento da temperatura média global em 2ºC. Este acordo resultou em compromissos, as Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDCs, na sigla em inglês), que deverão ser colocadas em prática a partir de 2020, obrigando governos a primar pela baixa emissão de carbono e consumir produtos e tecnologias mais sustentáveis”.

Neste cenário, como está o progresso do Brasil para atingir as suas metas?

No artigo “O desafio de tirar do papel os compromissos climáticos”, publicado no jornal Valor Econômico, a presidente executiva da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá) e presidente da Comissão de Meio Ambiente e Energia da International Chamber of Commerce (ICC) do Brasil, Elisabeth de Carvalhaes, apresenta um panorama do que está sendo feito ao redor do mundo e como isso pode servir de exemplo para o Brasil.

Para a executiva, é fundamental que todos os setores trabalhem juntos em direção a uma economia de baixo carbono. “É imperativo entender que este movimento não deve depender somente de recursos públicos (…) É necessária uma mudança cultural no pensamento de formadores políticos e de empresários. A agenda do clima deve ser encarada essencial no desenvolvimento socioeconômico e não apenas como uma pauta ambiental ou uma ação de marketing, afirma Carvalhaes.

Para ler o artigo “O desafio de tirar do papel os compromissos climáticos” na íntegra, acesse: http://www.valor.com.br/opiniao/5117030/o-desafio-de-tirar-do-papel-os-compromissos-climaticos