Livro: Janela para o conhecimento

(Foto: Pixabay)

Confesso que me emocionei. Eu era garotinho e tinha acabado de ser alfabetizado. O dia foi 15 de Dezembro de 1963. Está escrito no dorso da primeira capa do livro: Eles fizeram a História do Brasil de autoria de Roberto Macedo. A dedicatória da professora Lourdes Carvalho indica que eu me formava no primário, como se chamava o ensino fundamental naquela época e acredite, fui o primeiro da classe, pela primeira e única vez. Junto com o diploma estava o livro que guardo até hoje. Não tenho dúvida, que esse presente me ajudou muito.

Lembrei do fato porque, hoje, dia 23 de Abril, é comemorado o Dia Mundial do Livro. A data foi escolhida por ser a da morte de dois dos principais escritores da humanidade: William Shakespeare e Miguel de Cervantes. Na época, 1616, a Espanha adotava o calendário Juliano, enquanto que a Espanha se guiava pelo calendário Gregoriano, que provoca diferença de dias, pelo calendário atual.

O livro, sem dúvida, ainda é o principal veículo de transmissão do conhecimento humano. Passamos da pré- história para a história exatamente porque começamos a nos comunicar por sinais, usar a escrita de símbolos, cerca de 4 mil anos antes de Cristo. Depois com o desenvolvimento da escrita e a invenção da imprensa, pelo alemão Johannes Gutemberg, surgiu o livro como hoje conhecemos. Seu primeiro trabalho foi a Bíblia, o mais vendido da história.

Nesses tempos modernos, quando se esperava que os ebooks tomassem conta do mercado e comprometesse o mercado editorial impresso, os números apontam que o livro sobrevive forte. Estamos ainda no meio desse furacão tecnológico. Não sei onde vamos chegar. O importante é a leitura, o livro continua sendo um objeto de desejo para muitos.

Ler é prazer, conhecimento e ponte que nos permite escrever melhor. Para os amantes da leitura, tocar num livro novo, ainda com aquele cheirinho de tinta, é, talvez, como tocar pela primeira vez na pessoa amada. Posso exagerar no fetiche, mas cada livro que lemos é uma nova emoção. Uma experiência única de conhecimento. Experimente.

Monteiro Lobato, dizia que um país se faz com homens e livros. Sem dúvida, precisamos ler mais.