Cobi Carvalho – Branding faz a diferença para vender orgânicos  

foto- divulgação Organis

A identidade de uma marca faz a diferença na relação com o consumidor. Nos orgânicos não é diferente. Muitas empresas têm as embalagens coloridas, outras um pouco mais “verde”, mas o importante é que o setor de orgânicos reconhece que investir em “branding” é estratégico para se aproximar do consumidor, ter visibilidade no varejo e ainda chancelar a marca Brasil.

Sobre esse assunto, o ONB conversou com o diretor de branding do Conselho Brasileiro da Produção Orgânica e Sustentável (ORGANIS), Cobi Carvalho, que atua no setor há mais de 20 anos.

ONB: O que é a marca Brasil para o setor de orgânicos?

Cobi: Apesar do ruído negativo sobre o país, por causa do noticiário de crise e corrupção, para o setor de orgânicos a marca Brasil é positiva. Ela mostra a exuberância das nossas águas, da fauna, da flora, do colorido. No entanto, usamos o slogan “Brasil orgânico por natureza”, inclusive para o mercado internacional, com o slogan “Organic by name, Organic by nature”.

ONB: Por que investir em branding?

Cobi: Investir em branding é investir na sua identidade e no seu valor. Mesmo que o “orgânico” seja uma marca coletiva, é necessário criar a sua própria individualidade e ter uma identidade. É investir em várias formas e ter uma coerência da percepção do público sobre o contato que tem com uma marca. Não é apenas criar um logotipo e um slogan, é criar um ambiente, um cheiro, uma forma de se dirigir ao público. Sendo orgânico ou não, investir em branding é uma necessidade. Não consigo imaginar uma empresa, hoje, que não invista na sua marca para se diferenciar no mercado.

ONB: Quais as vantagens comerciais de embalagens atrativas para os orgânicos?

Cobi: Uma embalagem atrativa, assim como o branding, é uma roupa. Criar uma impressão para seu produto, não é só para conter e proteger, mas uma forma de comunicação. Em orgânicos, menos é mais e a sustentabilidade é muito importante. Na Alemanha, por exemplo, muitos produtos têm apenas uma embalagem transparente com um rótulo com a logomarca, as informações nutricionais e os selos de rastreabilidade.

ONB: Qual a melhor estratégia de explorar a imagem da biodiversidade brasileira?

Cobi: Acho que a melhor estratégia é contar aquilo que o Brasil tem de mais bonito e alegre: sua exuberância natural. É mostrar a fauna e a flora de uma forma diferente, num contexto de humor, um ângulo que apresenta de modo simples, inusitado, e numa agenda positiva. A maneira de retratar isso tem que criar uma surpresa.

ONB: Qual a estratégia do ORGANIS para crescer com as empresas no Brasil e ser relevante no mercado externo?

Cobi: A estratégia do ORGANIS é construir um relacionamento por meio da informação. Mostrar quais são as afinidades, as potencialidades dos orgânicos e divulgar o setor, através do site atualizado, dando entrevista, conversando com as empresas, o varejista, o produtor e o consumidor. Temos participado de feiras e eventos relevantes, como o Conselho de Segurança Nacional.

Estamos investindo para crescer no mercado interno e nos tornarmos cada vez mais relevante no mercado externo, onde temos uma estratégia diferente em que trabalhamos com a marca Organics Brasil, em que vendemos a ideia de exuberância, de um país grande por sua natureza e quando pensar em orgânico é Brasil.

Nós também investimos no programa Brasil Biomas, que ensina sobre os biomas e a importância de conservá-los e que o orgânico pode ser um dos elementos ou uma das ações de conservação. Há também o Projeto Comprador, que apresenta investidores internacionais aos nossos produtores, estimulando rodadas de negócios.