ORGANIS lança campanha de empoderamento do consumidor

(Foto: Organis)

O mercado de orgânicos movimentou R$ 3,5 bi, em 2017, e se mantém em constante crescimento de 20% ao ano. Cerca de 15% dos brasileiros compram alimentos orgânicos com regularidade nas grandes capitais, segundo pesquisa do Conselho Brasileiro da Produção Orgânica e Sustentável (Organis).

Mesmo com o aumento da demanda por esses produtos, os consumidores ainda acreditam em muitos mitos sobre os orgânicos. Para levar informação ao consumidor, o Organis lançou a campanha institucional “Escolha”.

(Foto: Organis)

O Organics News Brasil conversou com o Diretor de Branding do Organis, Cobi Cruz, sobre a nova campanha e os desafios da comunicação sobre orgânicos:

ONB:  Pelo 5º ano consecutivo, o Organis esteve com um estande conceito na APAS. Qual foi o tema desse ano?

Cobi: O tema desse ano foi Escolha, porque depende de cada um de nós ter um Brasil cada vez mais orgânico e sustentável. Não apenas poder escolher uma vida orgânica, mas que dentro do orgânico, hoje, tem muitas opções

ONB:  O Organis lançou a campanha Empoderamento. Qual o seu objetivo?

Cobi: O Organis tem um papel de sensibilizar e ajudar na educação para que o consumidor tenha discernimento e possa fazer a sua escolha e que tem orgânico no Brasil inteiro. Diversas prefeituras e iniciativas estão abrindo espaço para a agricultura familiar, ecológica e orgânica. Todos estão querendo fazer uma escolha hoje e ter um alimento cada vez mais saudável. Então o nosso foco é “Vai escolher? Escolha orgânico”

ONB: Qual a maior dificuldade que a informação sobre orgânicos enfrenta para chegar ao consumidor?

Cobi: A informação chegar no consumidor é um grande desafio. Faltam incentivos dos nossos órgãos governamentais. Na escola, por exemplo, não existe educação alimentar e as grandes redes de supermercado ainda não sabem comunicar muito bem isso com o público.

Existe um outro desafio muito grande que é a falta de assistência técnica, problema de logística, a falta de captação de técnicos e a falta de insumos.

Na parte de comunicação, eu tenho visto um avanço da imprensa e o crescimento do debate nas mídias [sociais], mas para um público bem específico. Ainda falta uma comunicação voltada para um público de massa, como na televisão.

ONB: O varejo convencional corresponde a 64% da venda de produtos orgânicos no Brasil. Como os supermercadistas podem ajudar na conscientização dos consumidores?

Cobi: Os supermercados possuem grandes áreas que podem fazer um papel de educação, por exemplo, explicar o que significa os selos orgânicos em painéis, o motivo que paga um pouco a mais por esse produto orgânico – não é só um benefício de saúde, é um benefício também de meio ambiente e vida social. Você está investindo no futuro, na proteção das águas.

Tem muito espaço no mercado que pode contar essa história, não só em painéis, pode ter folhetos, fazer eventos no estacionamento e convidar feirantes, inclusive, para vender as verduras ali. Aparentemente é concorrente, mas não é, é uma ação proativa, que ajuda até a vender depois as hortaliças dentro do supermercado.