Janeiro: Cuidados com a alimentação e combate à poluição do plástico

(Foto: Freepik)

O ano começou com boas notícias para os orgânicos e agroecológicos. O estado de São Paulo sancionou a Política Estadual de Agroecologia e Produção Orgânica (Peapo) para fomentar a transição da agricultura tradicional para a orgânica e agroecológica.

O bioC, registro internacional de certificados orgânicos, registrou mais de 100 mil certificações em seu sistema, representando mais de 80 mil operadores certificados e seus produtos dentro dos regulamentos governamentais e padrões privados.

A Europa lançou um movimento de valorização do alimento orgânico e sustentável, com o slogan “O valor verdadeiro do alimento”. O movimento, inclusive, ganhou o apoio da rainha Máxima da Holanda.

Com o crescimento da demanda por produtos saudáveis e o investimento no setor, principalmente de jovens que vivem em harmonia com o conceito orgânico, qual o perfil do novo empreendedor do setor?

O ONB entrevistou a empreendedora Carolina de Araújo, dona da Caapim, uma marca de chás sobre o investimento no setor e conversamos com o chef Alex Atala sobre o futuro da alimentação orgânica e a incorporação desses ingredientes em restaurantes.

Clima

O clima ficou louco e castigou vários países. Nos Estados Unidos e no Canadá, o frio matou quatro pessoas e toda a costa leste norte-americana entrou em alerta máximo. Inclusive podemos ver um fenômeno raro, que só ocorreu três vezes nos últimos 40 anos: nevou no deserto do Saara.

Janeiro também registrou novos recordes de temperatura. A cidade de Sydney, por exemplo, registrou a incrível marca de 47,2°C, apenas décimos abaixo do recorde histórico de 1939 (47,8°C).

Empresas x meio ambiente

Escândalos envolvendo empresas e o meio ambiente continuaram em 2018. A Volkswagen, Daimler e BMW testaram os efeitos da poluição por diesel em macacos e em humanos, para provar que os veículos a diesel com tecnologias atuais poluíam menos do que os modelos antigos.

A Volkswagen anunciou o conceito “I.D”, uma plataforma para a produção em massa de carros elétricos até 2022.

A mineradora Vale foi condenada a reparar os danos ambientais por assoreamento de rios e igarapés, além do enfraquecimento do solo de área impactada por operações da empresa no território quilombola de Jambuaçu, em Moju, no nordeste do Pará.

prefeito de Nova York, Bill de Blasio, entrou com um processo contra as petroleiras BP, Chevron, Conoco Phillips, Exxon Mobil e Royal Dutch Shell pela contribuição dessas empresas aos danos causados no clima do planeta.

Já o Chile anunciou o fim dos investimentos para a construção de usinas de carvão que não possuem sistemas de retenção das emissões de gases poluentes ou tecnologias equivalentes.

Combate ao plástico

Por outro lado, o mundo se uniu para combater a poluição plástica com ações de médio a longo prazo. A Coca-Cola anunciou uma nova política de embalagens, em que assumiu o compromisso de recolher o equivalente a 100% das embalagens que coloca no mercado até 2030.

A primeira ministra do Reino Unido, Theresa May, anunciou que o governo erradicará o desperdício evitável de plástico até 2042, como parte de uma nova agenda ambiental.