Novembro: Governo Bolsonaro e meio ambiente

(Foto: EBC)

Novembro foi marcado pela formação do governo Bolsonaro. O presidente eleito voltou atrás e manteve os ministérios do Meio Ambiente e Agricultura separados e anunciou a  presidente da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), Tereza Cristina, como próxima ministra da Agricultura.

A deputada afirmou que a bancada ruralista terá como prioridade a aprovação da Lei Geral de Licenciamento Ambiental, que propõe mudar as regras para a concessões.

O diplomata Ernesto Fraga Araújo, novo ministro das Relações Exteriores, se posicionou sobre a mudança climática.

Cento e seis economistas enviaram uma carta ao presidente eleito, Jair Bolsonaro, com sugestões que incluem medidas importantes para o mercado, a sociedade e que, simultaneamente, preserve o meio ambiente.

Bolsonaro também anunciou o diretor-geral do Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, almirante Bento Costa Lima de Albuquerque Junior, como ministro de Minas e Energia e pediu para o Brasil desistir de sediar a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP 25), em 2019.

Meio ambiente

No dia 05, o rompimento da barragem da Samarco, em Mariana (MG), completou três anos. As vítimas ainda esperam a construção de suas casas e receber indenização das mineradoras.

Cerca de 240 mil pessoas, 24 governos municipais, 11 mil empresas, uma arquidiocese católica e 200 membros da comunidade indígena Krenak atingidas pelos rejeitos entraram com um processo contra a BHP Billiton, uma das donas da Samarco, no Reino Unido.

No dia seguinte, a Suprema Corte dos Estados Unidos rejeitou o pedido do presidente Donald Trump para suspender o julgamento do processo que acusa o governo norte-americano de negligenciar os perigos das mudanças climáticas.

O Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) aprovou resoluções que aumentarão o controle de emissões de gases poluentes por carros automotores e melhorar os padrões de qualidade do ar.

Agronegócio

O Tribunal Regional Federal em Porto Alegre atendeu ao recurso do Ibama e proibiu o site Mercado Livre de comercializar agrotóxicos.

O Brasil assinou, em Genebra, a Declaração Internacional sobre Aplicações Agrícolas de Biotecnologia de Precisão, um compromisso de apoiar políticas que estimulem a inovação agrícola.

A Hortifruti anunciou a fusão das redes Hortifruti e Natural da Terra para expandir a alimentação saudável e se tornar referência em produtos frescos no Brasil.

Carros elétricos

Os veículos elétricos foram o grande destaque do Salão Internacional do Automóvel de São Paulo, que aconteceu entre os dias 08 e 18. A Nissan, a General Motors e a Renault anunciaram o início das vendas de carros elétricos não luxuosos no Brasil a partir de 2019.

A Toyota anunciou a produção de carros híbridos no Brasil a partir de 2020, quando a modernização da fábrica de Indaiatuba (SP) será finalizada e a Renault pretende instalar em Foz do Iguaçu, o primeiro centro especializado em formação de profissionais para manutenção de veículos elétricos.