Medidas de economia circular podem salvar economia mundial pós-pandemia

títulos verdes, sustentabilidade, agricultura
(Foto: Pixabay)

A adoção de estratégias de economia circular em todos os setores é a melhor maneira da economia mundial se recuperar, ao mesmo tempo em que permite a transição para uma economia de baixo carbono, aponta novo estudo publicado na revista Resources, Conservation and Recycling.

O levantamento reuniu pesquisadores do Reino Unido, Malásia, Nigéria, Emirados Árabes Unidos e Japão, liderado pelo WMG, da Universidade de Warwick. E analisou os impactos negativos e positivos da pandemia de Covid-19.

De acordo com os cientistas, a pandemia teve muitos efeitos econômicos em ambos os níveis macro e micro da economia, incluindo as cadeias de abastecimento globais e comércio internacional, turismo e aviação e muitos outros setores.

“A pandemia destacou a loucura ambiental de ‘extrair, produzir, usar e despejar’ o modelo econômico de fluxos de material e energia. No entanto, as resoluções de curto prazo para lidar com a pandemia não serão sustentáveis ​​no longo prazo, pois não refletem melhorias nas estruturas econômicas da economia global”, disse Dr. Taofeeq Ibn-Mohammed, do WMG.

A pandemia também provocou mudanças naturais no comportamento e nas atitudes com influências positivas na saúde humana e no planeta, incluindo: melhorias na qualidade do ar e exercícios ao ar livre.

A redução no turismo resultou em menos exploração das praias, levando ao aumento da limpeza. E houve declínio no uso global de energia primária. Por exemplo, o uso de carvão caiu 8% e  do petróleo, 60%. O que desencadeou a necessidade de diversificação e circularidade das cadeias produtivas.

Os pesquisadores examinaram os impactos da pandemia e sua interação com a economia circular, para avaliar como ela poderia ser adotada para reconstruir a economia mundial.

Ao adotar a economia circular, cada setor deverá ter estratégias diferentes. “Propomos (…), por exemplo, abraçar as capacidades transformadoras das tecnologias digitais para resiliência da cadeia de suprimentos, aproveitando: análise de big data para agilizar os processos de seleção de fornecedores; computação em nuvem para facilitar e gerenciar relacionamento com fornecedores e Internet das Coisas para aprimorar os processos de logística e remessa”, disseram os pesquisadores.

Os investimentos são necessários para acelerar o desenvolvimento de uma economia mais resiliente e devem ser integrados aos pacotes de estímulo à recuperação econômica prometidos pelos governos, uma vez que as deficiências no modelo econômico linear dominante são agora reconhecidas