Ministros do G20 se comprometem com recuperação econômica sustentável

(Foto: Alan Santos/ PR)

Os ministros de finanças e economia dos países do G20, que reúne as 20 economias mais ricas do mundo, se comprometeram a recuperar a economia mundial de forma “ambientalmente sustentável” decorrente da pandemia de COVID-19. 

No comunicado conjunto, os países ressaltam a importância de colocar em vigor os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas e a “responsabilidade de longo prazo com nosso planeta”.

“Comprometemo-nos a apoiar uma recuperação ambientalmente sustentável e inclusiva. Seremos guiados por um senso de responsabilidade compartilhada e de longo prazo por nosso planeta e cidadãos, consistente com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, nossas estratégias nacionais e locais de desenvolvimento e os compromissos internacionais relevantes”, dizem os ministros.

As autoridades afirmaram que vão usar todas as ferramentas de políticas disponíveis para proteger a economia contra “riscos negativos, garantir uma rápida recuperação e alcançar um crescimento forte, sustentável, equilibrado e inclusivo, continuando a enfrentar os desafios globais”.

Os ministros também concordaram com um congelamento temporário de pagamentos de dívidas por parte de países menos desenvolvidos e em desenvolvimento.  

O comunicado reconhece o “desafio sem precedentes dessa crise sanitária” e se compromete a apoiar os governos dos países em desenvolvimento no esforço de enfrentamento da crise.

Os países do G20 irão alinhar suas ações de recuperação com os ODS e outros “compromissos internacionais relevantes”, o que pode incluir o Acordo de Paris sobre mudança do clima.

Para a CEO da European Climate Foundation, Laurence Tubiana, o reconhecimento da sustentabilidade e da inclusividade como princípios chave para a recuperação da economia é positivo e é necessário após o planeta se recuperar do Covid-19.

“Os ODS e o Acordo de Paris devem ser nossos mapas orientadores para que possamos nos recuperar de maneira mais sustentável. Precisamos agora de medidas claras de apoio a sistemas carbono zero, resilientes, inclusivos e baseados na natureza, que construam um mundo neutro em emissões que permita proteger as pessoas das mudanças do clima e de seus impactos mais poderosos”, disse.

A CEO interina da coalizão empresarial We Mean Business, Maria Mendiluce, também elogiou o compromisso e ressaltou que, além do covid, a mudança climática ameaça a saúde no longo prazo e a economia como um todo. 

“Esta é a melhor oportunidade para tomar decisões relacionadas a clima e sustentabilidade, a fim de evitar novos choques econômicos no futuro. A aplicação da ótica do clima e da resiliência nos pacotes de estímulo econômico de longo prazo, e o acompanhamento de medidas de recuperação econômica com ações climáticas, nos permitirá criar empregos e aumentar a resiliência de nossas economias”, avalia.