Governo aponta nova redução na conta de luz a partir de setembro

No lançamento do pacote de energias elétrica e renovável, o governo anunciou que, a partir de setembro, pode haver redução em torno de 15% com a troca da bandeira vermelha pela amarela, mas a decisão acontece em reunião na próxima semana. A medida é uma resposta aos empresários e consumidores que sofreram reajustes de até 60% na conta de luz nessa crise hídrica e de gestão.

A presidenta Dilma Rousseff, em seu pronunciamento, disse que o Brasil se alinhou aos Estados Unidos, na política de redução da temperatura global e emissões de poluentes que contribuem com o aquecimento global em 20%. Anteriormente, o Brasil chegou a 37% no Acordo de Kyoto. Mas, para a COP21, o governo espera que esses números representem um impacto importante com as outras nações, para alcançar o acordo de diminuição em 2% na temperatura do planeta. Ela disse que pretende exportar esse know-how brasileiro em equipamentos, tecnologia e serviços, com a experiência adquirida em etanol, biomassa e aumento de investimentos em energia solar, eólica e mesmo em hidrelétricas de pequeno e grande porte.

dilmaResumindo, são números gigantescos, com mais de R$ 186 bilhões em investimentos, sendo 81 em até cinco anos, totalizando 31 mil MW de energia disponível e mais de 41 mil km em linhas que permitem a distribuição. Pelo menos três leilões de energia serão realizados este ano, um deles em 28 de agosto, com mais de 300 empresários interessados em projetos eólicos, biomassa e solares.

Outro termo utilizado, o “fast track”, designa uma forma constitucional para agilizar prazos e licenciamentos ambientais para 3 mil km de obras estruturantes. Uma nova emenda constitucional vai ser apresentada, nos próximos dias

Tapajós e Jatobá são os únicos leilões de mega usinas previstas para a região Amazônica. Serão pelo menos seis anos de construção e o BNDES só poderá financiar metade os investimentos, previstos em R$ 30 bilhões. O projeto agora inclui as eclusas, que tornam navegáveis o rio Tapajós, mas ainda falta a licença ambiental. O Leilão ainda poderá acontecer em 2015.