IBGE propõe nova classificação de áreas rurais e urbanas

(Foto: Pixabay)

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) lançou, nesta segunda-feira (31), uma nova proposta para definir a classificação de áreas urbanas e rurais para aprimorar o Censo Demográfico 2020.

Segundo o estudo “Classificação e caracterização dos espaços rurais e urbanos do Brasil – uma primeira aproximação”, 76% da população brasileira se encontravam em áreas “predominantemente urbanas”, o equivalente a 26% dos municípios, em 2010. Porém a classificação atual calcula que esse índice é de 84,4%.

Para classificar os espaços rurais e urbanos no estudo, o IBGE definiu três critérios básicos para elaborar cada item: a densidade demográfica, a localização em relação aos principais centros urbanos e o tamanho da população. Após as análises desses critérios, os municípios foram caracterizados como “urbanos”, “rurais” ou “intermediários”.

O coordenador de Geografia do IBGE, Claudio Stenner, afirmou que a nova metodologia não vai substituir a utilizada atualmente e que “o IBGE vai continuar a delimitação legal de urbano e rural”.

“O objetivo é que no Censo 2020 se tenha mais de um tipo de classificação, oferecendo um dado melhor qualificado em termos de recortes territoriais e uma informação estatística mais aderente à realidade, para subsidiar políticas públicas e planejamento em geral”, disse em entrevista a Agência Brasil.

A análise propõe a delimitação rural-urbana adequada, de acordo com a Nova Agência Urbana, adotada na Conferência das Nações Unidas sobre Moradia e Desenvolvimento Urbano Sustentável (Habitat III) e nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

O estudo “Classificação e caracterização dos espaços rurais e urbanos do Brasil – uma primeira aproximação” está disponível no site do IBGE.