Londres cria taxa diária para conter poluição de veículos “tóxicos”

(Foto: Pixabay)

Os motoristas de veículos a diesel vão pagar uma “taxa de toxicidade” diária para circular pela região central de Londres, na Inglaterra. A medida, que entrou em vigor ontem (23), visa melhorar a qualidade do ar na capital inglesa, considerada uma das mais poluídas da Europa.

Chamada de T-Charge, a taxa é destinada aos motoristas com veículos registrados antes de 2006. Segundo a prefeitura, 34 mil carros poderão ser taxados por mês.

A tarifa de £10, o equivalente a quase R$ 43, complementará a taxa de congestionamento diária. Isso significa que os motoristas que desejarem transitar pelo centro de Londres deverão pagar 21.50 libras, cerca de R$ 92, por dia.

“A escala vergonhosa da crise de saúde pública em Londres, com milhares de mortes prematuras provocadas pela poluição do ar, precisa ser combatida. Esta data representa um marco importante nesta jornada, com a introdução da T-Charge para incentivar os motoristas a deixarem de usar veículos poluentes e nocivos”, disse o prefeito de Londres Sadiq Khan em comunicado a Bloomberg.

O prefeito já havia deixado clara a sua intenção de zerar as emissões de todo o sistema de transporte londrino até 2050. Em junho, Khan apresentou o relatório “Estratégia de Transporte”, que estabelece estratégias para limitar as emissões de gases de efeito estufa a longo prazo pelos transportes, como a expansão do sistema de transporte público elétrico.

Entre as medidas traçadas pelo documento esta a criação de Zonas de Emissões Ultrabaixas, áreas em que as emissões de gases de efeito estufa deverão ser eliminadas totalmente em um determinado prazo.

A região central de Londres é a primeira zona que deve ter as emissões zeradas até 2025. Neste cenário, a T-Charge é considerada a precursora nas medidas antipoluição.

A iniciativa londrina vai de encontro com medidas similares adotadas na União Europeia para reduzir a emissão de gases poluentes. A cidade de Paris, por exemplo, pretende eliminar os carros particulares a diesel nas ruas até 2024.

** Com informações da Bloomberg