Sacolinhas e lixo reciclável

Uso de sacolinhas plásticas recicláveis em supermercados entra em vigor em São Paulo

Desde o domingo de Páscoa (5 de abril), os supermercados de São Paulo cumprem a Lei 15.374, de 2011, que prevê a substituição das sacolinhas derivadas de petróleo por modelos padronizados: nas cores verde e cinza, que segundo a prefeitura são mais resistentes e parte feita de material renovável.

A sacola verde é para lixo reciclável e a cinza para resíduos orgânicos. Essa iniciativa permitirá educar o cidadão para o descarte seletivo do lixo residencial e urbano.

O problema é que não há coleta seletiva na cidade de S.Paulo e os supermercados estão vendendo as sacolinhas por até R$ 0,10. Virou uma fonte de renda para os supermercados, que deveriam colaborar com a ação de educação ao consumidor. Se não cobravam antes, deveriam manter a gentileza ao cliente.

O prefeito Fernando Haddad informou que foram investidos mais de R$ 60 milhões nas centrais mecanizadas de triagem e que a cidade gasta R$ 1 bilhão por ano com a varrição das ruas: “Há anos, as pessoas reclamam que São Paulo não faz a coleta seletiva, quando fazia não tinha central de triagem e agora que tem não tem resíduo sólido para triar, não faz sentido”. A prefeitura ainda não multará estabelecimentos comerciais e munícipes que não cumprirem a lei.

Os cidadãos da capital paulista podem encontrar os pontos de triagem de lixo pela Central de Atendimento – 156, através do Alô Limpeza no telefone (11) 3397-1723 ou pelo site da prefeitura.

 

Reúso das sacolinhas

sacolinhas

 

VERDE: lixo reciclável

CINZA: resíduos orgânicos e rejeitos