Paraíba amplia produção de algodão colorido orgânico

algodão colorido orgânico
(Foto: Redes Santa Luzia)

A safra de algodão colorido, que começou a ser colhida em algumas regiões da Paraíba, deve chegar a 50 toneladas de pluma, produção pelo menos três vezes maior em relação à safra passada, estima a Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensão Rural e Regularização Fundiária (Empaer).

A empresa Santa Luzia Redes e Decoração é uma das responsáveis pelo aumento na produção, após a adesão a um acordo internacional para que seus produtos sejam de algodão 100% sustentável até 2025. O grupo espera colher 60 hectares de algodão nesta safra e chegar a 100 hectares em 2021.

Desde 2006, a Santa Luzia vinha cultivando o algodão colorido natural e orgânico certificado em 20 hectares em sistema de agricultura familiar. Com a demanda crescente, a empresa ampliou a produção em 300% para atender tecelagens do mercado interno e externo.

A matéria-prima alimenta a fábrica que produz artigos têxteis de decoração: redes de descanso, mantas, entre outros, para abastecer o mercado nacional e internacional.

“Nosso interesse em aumentar a produção é comercializar a pluma de algodão e futuramente o fio de algodão por que a procura tem crescido e nós vimos uma oportunidade de oferecer a outras empresas do mercado interno e externo que desejem utilizar o algodão colorido na sua produção”, conta Armando Dantas, diretor da empresa.

A produção de algodão orgânico do grupo Santa Luzia se concentra nos municípios de Brejo do Cruz, Belém do Brejo do Cruz, São Bento e São José do Brejo do Cruz, cultivados em sua maioria por comunidade quilombolas, em sistema de agricultura familiar, com uma produtividade média de 1.200 quilos de algodão por hectare.

Na área de produção da empresa, foram testadas duas máquinas da Embrapa Algodão, ainda em fase de validação, voltada para a produção orgânica da agricultura familiar. Uma máquina para deslintamento das sementes por meio de flambagem e outra para plantio dessas sementes.

Os testes e validação das máquinas foram realizados em 900 quilos de sementes, com ótimo percentual de germinação. Essas validações tiveram bons resultados e serão interessantes para aperfeiçoar os equipamentos de disponibilizá-los para a agricultura familiar”, conta João Henrique Zonta, chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Algodão.

Outra iniciativa que têm contribuído para o aumento da produção da pluma orgânica (branca ou colorida) é o projeto Algodão Paraíba, coordenado pela Empaer desde 2015, com parceria da Embrapa Algodão, da Norfil S/A Indústria Têxtil e da Cooperativa de Produção Têxtil Afins do Algodão (Coopnatural).