Acre decreta emergência por queimadas e escassez

(Foto: Marcos Vicentti/ Secom Acre)

O governador Gladson Cameli decretou estado de emergência no Acre devido ao período de estiagem no estado e ao número de queimadas.

O decreto fortalece o pedido de recursos do governo federal para enfrentar as queimadas e incêndios florestais.

De janeiro a 20 de janeiro, o Acre registrou 2.498 queimadas, um aumento de mais de 190% em relação às 852 queimadas registradas no mesmo período do ano passado. Os dados são da Secretaria do Meio Ambiente do estado.

Segundo o secretário do Meio Ambiente, Israel Milani, “há cerca de 20 dias observaram-se situações climáticas que poderiam acarretar em um descontrole, como baixa umidade do ar, ausência de chuvas por um tempo prolongado, chuvas abaixo da média histórica e número de focos de calor”.

Cameli disse, em coletiva de imprensa, que vai “bater na porta de todos” se precisar e que “o presidente da Argentina já se colocou à disposição” para ajudar. 

Em seu discurso, o governador ainda afirmou que não transferiria a culpa para outro estado ou país – se referindo a Bolívia e Peru. “A culpa não é da Bolívia nem do Peru, o problema é aqui”.

Esta é a segunda vez que o Acre entra em estado de emergência por causa das queimadas. Em 2016, houve um decreto causado pela seca histórica registrada no estado.

** Com informações do G1