Exclusivo: Setor de orgânicos se une contra o plano do governo para camuflar o agrotóxico

Reunião dos líderes do setor orgânico (Foto: Vera Moreira)

Uma importante reunião com lideranças do setor de orgânicos aconteceu na Bio Brazil Fair | Biofach America Latina, nesta sexta-feira (08), para pressionar o Congresso Nacional a vetar o Projeto de Lei 6299/2002, já conhecido como PL do Veneno. O portal Organics News Brasil registrou o encontro com exclusividade e passa, a partir de agora, a integrar essa frente para frear químicos nas lavouras.

De autoria do ministro da agricultura Blairo Maggi, liderança ruralista, o projeto propõe mudar o termo “agrotóxico” para “defensivo fotossanitário”, limitará a atuação dos estados na fiscalização e poderá aumentar o uso dos pesticidas de forma preocupante.

A legislação prevê que os agricultores não possam plantar, produzir e armazenar sementes. O projeto quer implementar que todo produto da colheita só possa ser vendido com a autorização do detentor de sementes que sofreram alguma modificação humana. Desta forma, o agricultor será obrigado a comprar as sementes e vários outros produtos, como agrotóxicos e adubos.

O retrocesso no setor de orgânicos foi um dos pontos mais debatidos. “A agricultura orgânica está influenciando positivamente a convencional, que adota práticas mais saudáveis”, disse Ariclenes Insuforte, da Brasil Bio.

“Todos os avanços [na legislação brasileira] conseguidos até agora serão perdidos e os maiores prejudicados serão os agricultores orgânicos”, complementou Rogério Dias, vice-presidente da Associação Brasileira de Agroecologia.

Outro ponto levantado foi o rápido andamento do projeto na Câmara e como isso pode impactar o andamento da PNARA, Política Nacional de Redução de Agrotóxicos, que deve estar pronta para votação no fim do ano. “Novembro é o período mais perigoso, precisamos nos mobilizar o mais rápido e mostrar para a sociedade civil os impactos dessa lei”, reforçou Dias.

A reunião contou com a participação do Diretor de Branding do Conselho Brasileiro da Produção Orgânica e Sustentável (Organis), Cobi Cruz; o engenheiro agrônomo e fundador da Associação Brasileira da Agricultura Orgânica, José Pedro Santiago; Ana Flávia Badue, do Instituto Kairós; Virginia Lira, Coordenadora de Agroecologia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; entre outros.